Blog Archives

Resumo conferência de Sílvia Silva

Conferência de 30 de Abril de 2010 (15h30)

Local: Sala 1 da Universidade Católica Portuguesa (CRP – Foz)

Tema: Clima e Cultura Organizacional de Segurança no Trabalho

 

Os acidentes de trabalho têm uma dimensão social extremamente importante, sendo um problema central nas sociedades contemporâneas. Mitigar estes fenómenos requer um aprofundamento do conhecimento das culturas de segurança. A abordagem psicossocial representa um contributo fundamental para o desenvolvimento de modelos organizacionais que conduzam à prevenção dos acidentes de trabalho.

Esta comunicação incide sobre a cultura organizacional e, nomeadamente, a cultura de segurança nas organizações, ou seja, um dos temas que tem recebido maior atenção por parte dos investigadores e instituições internacionais (e.g., ILO, 2003). Nos últimos anos a cultura de segurança têm sido apontada como sendo um dos factores centrais para uma compreensão global da gestão da segurança nas organizações, assim como, da eficácia ou ineficácia das iniciativas desenvolvidas com o objectivo de prevenir os acidentes de trabalho. Ainda recentemente, é também referido o papel que a cultura de segurança desempenha na forma como as empresas enfrentam os desafios das novas formas de trabalho e gerem a segurança. Por último, é de salientar que este é um tema que abrange todas as organizações e todos os sectores de actividade. O clima de segurança e aprendizagem com os acidentes de trabalho são outros dois temas que também são desenvolvidos e estudados.

Nesta comunicação são apresentadas investigações realizadas em várias organizações Portuguesas, tendo sido já estudadas, no total, mais de 20 organizações e inquiridos mais de 1500 trabalhadores.

Estes estudos permitiram o desenvolvimento e validação de uma metodologia que avalia simultaneamente a cultura de segurança e o clima de segurança.

Os resultados obtidos salientam a importância da caracterização da cultura de segurança através da identificação dos valores nucleares e dos valores em uso nas organizações; a necessidade de articulação da cultura organizacional com a segurança, sendo sugerido que a introdução de programas e sistemas de segurança devem ser contextualizados na cultura organizacional.

Verificou-se, ainda, que empresas com menor sinistralidade são caracterizadas por uma cultura de segurança mais forte, clima de segurança mais positivo e uma maior utilização de estratégias de aprendizagem com os acidentes de trabalho. A ausência de acidentes de trabalho ocorre nas empresas onde a segurança é um valor nuclear central, ou seja, um valor que se traduz na consistência entre decisões, políticas, distribuição de recursos e práticas organizacionais, onde a produtividade nunca ameaça a segurança.

Concluindo, o presente trabalho contribui para uma clarificação do que é a cultura de segurança; desenvolve e valida uma metodologia de diagnóstico para a cultura de segurança; oferece um enquadramento cientifico que contribui para uma gestão e intervenção na área da segurança com maior eficácia ; contribui para a melhoria das condições de segurança e prevenção de acidentes de trabalho em todos os sectores de actividade, quer ao nível nacional quer ao nível internacional

No final desta comunicação são apresentadas várias propostas para a investigação futura e condução de intervenções que visem a prevenção dos acidentes de trabalho.